Get Adobe Flash player

Qual o perfil da mulher cristã hoje?

"Mulher virtuosa, quem a achará?" Mas elas estão por aí. Saras, Déboras, Marias. Exemplos bíblicos de mulheres repletas de força para o trabalho, moldadas para o serviço, dotadas de amor maternal, que parece intrínseco ao ser feminino. Todas elas vestidas de "força e honra" e que se expressam com "sabedoria", no agir e no pensar como Maria. Tementes a Deus como Sara e corajosas como Débora.

Talvez não seja possível contar as virtuosas que estão dentre as 87 milhões de mulheres da sociedade brasileira, ou seja, quase 52% da população. O que é certo é que em números absolutos as mulheres superam os homens no Brasil e são mantenedoras de mais de 25% dos lares no país. Embora sejam reconhecidas, em geral, como fonte de amor na família, ponto de equilíbrio em relacionamentos inter-pessoais e dotadas de uma sensibilidade especial para várias atividades, dados recentes mostram o crescente número de violência contra a mulher, bem como o fato delas receberem salários inferiores aos homens, ou seja, seu reconhecimento social ainda não é satisfatório.

Quem são as virtuosas de hoje e onde estão? Para tentar traçar este perfil, Comunhão reuniu num papo animado a missionária Rosângela Silva, a médica Mara Barcelos, a musicista Alzira Bittencourt e a comunicadora e empresária Cristal Carvalho. Confira.

Quando vocês lêem o capítulo 31 a partir do versículo 10 livro de Provérbios, o que é que entendem que seja uma mulher virtuosa?
MARA: A mulher virtuosa é o espelho da família. É uma mulher que tem a visão da importância da família - que é projeto dEle. Essa mulher faz com que essa família vá adiante dentro dos propósitos de Deus. Ela cuida dos filhos, do esposo, e isso só é possível quando nos colocamos nas mãos de Deus e o buscamos dia-a-dia através da sua Palavra. A partir daí nós vamos tomando várias iniciativas, como abrir mão de um projeto pessoal nosso em favor da família.

CRISTAL: O texto bíblico apesar de ter sido escrito há tantos anos, é bem atual quando diz que "a beleza enganosa é a formosura passageira". A forma física e a estética são coisas que a sociedade moderna, que as mulheres de hoje acham que irá perdurar. Claro que nós devemos tomar todo o cuidado pois o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, mas a palavra deixa muito claro que a gente tem que viver todas as etapas. A sociedade tem cobrado muito da mulher, da aparência, da beleza física. Nós mulheres temos que ler este texto inspirado para as nossas vidas para sermos um manual de construção para as nossas famílias e para os nossos lares.

ALZIRA: Pelo capítulo 31, ele fala da mulher que é temente a Deus. Uma coisa que eu gosto muito no texto é a parte que diz "o seu marido é respeitado". Isso me dá a sensação de um marido bem cuidado. Ele é respeitado porque ele tem em casa uma mulher que trabalha de tal forma que, quando ele sai a rua, todos o reconhecem por causa de sua mulher. No texto está a visão da mulher, suas características.

ROSÂNGELA: O texto fala para muitas mulheres cristãs que fazem a diferença, a mulher virtuosa. O que eu vejo hoje são mulheres preocupadas com estética e não com a suas famílias. Os filhos muitas vezes acabam tomando outros caminhos. A mulher virtuosa se dedica ao lar, aos filhos, ao marido, à obra de Deus. Eu tenho visto como Deus prepara a cada dia essa mulher para o lar. A família é constituída por Deus e essa mulher sabe preservá-la. Na Bíblia vemos vários exemplos como Ana e Débora. Eu vejo que muitas mulheres que tem buscado a Deus, têm mudado o seu comportamento. É maravilhoso conhecer a palavra de Deus e saber que a mulher virtuosa faz a diferença em tudo.

Ser uma mulher virtuosa é um contra senso hoje em dia? Muitas vezes as pessoas confundem e passam a crer que a mulher virtuosa seja perfeita. Inclusive esteticamente. Vocês são cobradas? Vocês já fizeram algo em busca deste padrão de perfeição? Quais são os maiores desafios para quem quer ser assim?

MARA: A palavra de Deus nos orienta sobre como ser uma mulher virtuosa, mas não é fácil. Eu tento ser, não sei se sou. Todas nós temos que nos cuidar da melhor forma possível. Não de uma forma exagerada, mas temos que cuidar da nossa aparência, de não nos excedermos demais em uma coisa e esquecermos de outra. As coisas devem ser dosadas e é essa sabedoria que a mulher virtuosa deve ter. Temos que buscar a Deus em nosso dia-a-dia. Ser uma mulher virtuosa deveria ser alvo de toda a mulher, principalmente a mulher cristã, temente a Deus.

CRISTAL: A sociedade é muito clara em seus padrões e a cobrança é muito forte. Eu tenho uma atividade profissional que tenta cobrar, tenta colocar regras, mas graças a Deus hoje eu tenho uma visão diferente sobre a vida. Eu não aceito esse tipo de padrão, eu faço as coisas com o bom senso e com equilíbrio. O vocábulo "virtuosa" quer dizer você ser muito bom em alguma coisa. Buscamos esse ideal com múltiplas funções. Há uma frase que diz assim "A mulher mexe a panela, vê a TV e balança o berço" ao mesmo tempo. O virtuosismo é conseguirmos quebrar essas barreiras, é sobrepor essa cobrança. E saber o lugar que tem a nossa família, os nossos filhos, a prioridade que tem o nosso papel na igreja, a nossa função enquanto cristã ao pregar a Palavra. É um desafio.

ALZIRA: A base de Deus, nós que conhecemos a Palavra, vem do uso da inteligência para podermos padronizar todas as coisas. Eu acho que não só a gente, como qualquer outra mulher hoje em dia, é muito cobrada. Há uma busca incontrolável pela estética, pelo consumismo. Cobrança até mesmo dos maridos. Mas nós precisamos nos preocupar com a estética também, sem exageros. Uma coisa que eu gosto de pensar para mim é que não somos miss, então temos que dar um jeitinho para a coisa ficar melhor. O ruim é ficarmos nos comparando com os outros. Você é olhada, você é cobrada, então vale a pena você investir um pouco nisso... não do ponto de vista da moda, mas do ponto de vista da boa aparência. Acho também que os nossos maridos merecem que estejamos arrumadinhas dentro de casa. Isso faz parte da mulher virtuosa.

ROSÂNGELA: No meu trabalho missionário, vejo que a mulher é muito observada. O que eu tenho visto dia após dia e o Senhor tem colocado em meu coração é a necessidade da vigilância. A mulher virtuosa deve ser muito sábia, ela é muito observada, tanto na sua maneira de andar, de agir, de falar, de pregar, de se assentar, em tudo.

A busca da igualdade em relação ao homem está masculinizando a mulher e fazendo com que elas confundam seus desejos e papéis?

MARA: Pode haver casos e situações onde isto esteja ocorrendo, mas nós que temos o padrão de uma mulher cristã, temente a Deus, nós temos que fugir disso porque Deus nos dotou de toda a capacidade e inteligência assim como aos homens. Cada mulher pode ter a sua profissão e exercê-la da melhor forma possível. Nós não precisamos imitar os homens. Podemos executar tarefas que os homens exercem mantendo a nossa feminilidade. Eu acredito que isso possa acontecer, mas nós temos que ter isso em mente, e lutarmos para não deixar que isso aconteça.

CRISTAL: No ano passado, li uma reportagem no qual se mostrava que homens e mulheres são bioquimicamente diferentes. Nós temos hormônios diferentes, uns que predominam na mulher, outros que predominam no homem. Isso faz com que tenhamos gêneros diferentes. No entanto, a gente vê hoje, que mulheres desenvolvem papéis na sociedade que homens também desenvolvem, coisa que há alguns anos atrás não era possível. Fazemos isso com o nosso jeito de ser. As mulheres que estão no poder público têm mostrado um excelente trabalho. Exatamente porque somos dotadas de sensibilidade, de um gênero diferente do masculino. No mundo a gente vê que as mulheres competem muito, agora no meio cristão a gente tem que se diferenciar. Tem que predominar a vontade de Deus em nossas vidas.

ALZIRA: Lá fora, a mulher quer realmente tomar o papel do homem, como já vimos nos movimentos feministas. É verdade que isso já diminuiu, pois hoje a mulher anda muito cansada. Acho que ela pensou no início do movimento feminista que ia ser muito bom tomar o lugar do homem e exercer as suas funções. Mas ela não perdeu nenhuma de suas primeiras funções trazendo grande cansaço para a mulher. Acumularam-se as funções. Ela só agüenta isso porque biologicamente, a mulher tem uma resistência maior, então ela consegue superar isso, mas não é simples, agradável, não é bíblico, não vale a pena. Aí nos entramos na palavra que a gente não gosta muito de usar: subserviência. Lá fora eu posso exercer um cargo de chefia, mas em casa eu sou a mulher do meu marido. A liderança profética da casa ele jamais pode perder. Eu acho que nós ainda vamos retornar ao pacto de que a mulher tem o seu lugar dentro de casa. Se a gente perguntar para qualquer mulher se ela gostaria de estar um horário do dia em casa, todas responderiam que sim. Eu acho que todas nós deveríamos ter um período do dia em casa, ter um emprego de meio horário. Enquanto a mulher tentar assumir o papel do homem na sociedade, ela não vai ser feliz, crente ou não. Ele tem que ter a vida que Deus deu a mulher, só assim ela vai encontrar a felicidade.

ROSÂNGELA: O que eu vejo é que existem muitas mulheres e poucas esposas. A mulher da sociedade normalmente quer trabalhar. Mas a esposa, colocando-a novamente como uma mulher virtuosa, ela faz a diferença dentro de casa com o seu trabalho. Eu vejo muitas famílias onde a mulher trabalha, e às vezes tem um cargo maior que o seu esposo, mas sempre o respeita. Eu tenho visto mulheres querendo ser a provedora em tudo, fazendo com que os seus maridos se sintam inferiores. A bíblia nos ensina que temos que ser submissas aos nossos maridos. Eu vejo que aí existem muitas guerras espirituais e confrontos. A mulher virtuosa, a mulher de Deus, tem que se colocar no seu papel.

O homem hoje tem se esforçado para ser um marido mais participativo? Ainda é tarefa da mulher a de se empenhar mais pela estabilidade da família? Pergunto isto porque antigamente víamos que eram as mulheres que se preocupavam mais com isso.

MARA: Os homens já estão enxergando que as mulheres exercem várias tarefas. E tendem neste contexto a colaborar da melhor forma que for possível, não só em algumas tarefas domésticas, mas também no cuidado com os filhos, freqüentando reuniões de pais nas escolas, cuidando da saúde das crianças. Muitas vezes a mulher toma isso como uma função sua, mas há situações que a mulher, por questões de trabalho ou de tempo, precisa que o marido tome esse papel para ele. É assim que tem que ser. A Palavra de Deus é completa e diz para o marido "amar sua mulher como o Senhor amou a Igreja". Se ele está vendo que a mulher está sobrecarregada e sabe que pode ajudar, ele vai participar para tornar a vida dessa mulher melhor e haver mais harmonia dentro da família. Eu percebo, sim, uma participação maior dos homens.

CRISTAL: Eu acho que a mulher ocupa um papel muito importante nessa questão da estabilidade da família, exatamente pelas nossas peculiaridades. Nós somos mais sensíveis no lidar com o filho, com o esposo, é o nosso próprio jeito de ser. Eu acho que um lar que tem uma mulher que não cumpre esse papel, o marido acabará não desenvolvendo o seu papel. Não será paciente, não saberá ouvir, não será cuidadoso com as pessoas, com os filhos. A mulher tem um papel fundamental para a harmonia do lar. Saber a hora de calar, de se posicionar. De falar com o seu filho "fale com o seu pai" antes de qualquer coisa. Vem muito também da busca pelo conhecimento de Deus para sabermos como lidar com isso. Eu vejo muitas famílias não cristãs que sofrem muito pois confundem os papeis e ocorre muita desarmonia e isso é muito ruim. Cada um tem as suas características, sua forma de ver as coisas.

ALZIRA: Eu acho que o marido enquanto pai tem sido mais participativo, não que ele queira, mas por necessidade, por esses motivos que já foram levantados. Ele também divide tarefas, até pelo contato com o recém-nascido. Para que haja facilidade na comunicação entre pais e filhos. O bom marido precisa valorizar a mulher que ele tem em casa, em casa não no sentido de estar dentro de casa, mas aquela mulher que cuida, que auxilia, que ajuda a tomar soluções. Eu gosto de maridos que valorizam as suas mulheres no dia-a-dia em pequenas atitudes. Ele precisa ter sempre aquela alegria natural de estar chegando em casa, de estar em casa com a sua família. Esse é o marido que está a cada dia procurando ser melhor e automaticamente ele vai ser mais participativo.

ROSÂNGELA: É como diz a bíblia "se tornam os dois, uma só carne". As mulheres do passado elas eram muito discriminadas. Num lar constituído por Deus há uma diferença. Quando a mulher ouve a voz de Deus e quando ela está sempre em acordo com o seu esposo, eles têm um momento melhor, principalmente com os filhos. Hoje, eu tenho visitado muitos lares e eu vejo muitos filhos que não falam com os seus pais, por falta de espaço para o diálogo ou falta de tempo. Homens que na rua são uma coisa e em casa são outra.

Nós temos visto, e cada vez mais vem aumentando, o número de casos de violência contra a mulher. E isto é só uma das questões que hoje envolvem as mulheres, porque temos casos de mulheres que são arrimo de família e ficam desempregadas, são abandonadas, necessitando de ajuda; mulheres que sofrem com problemas psicológicos, dependentes de tranqüilizantes. O que a igreja tem feito com para ajudar em relação a isso?

MARA: Em primeiro lugar, como cristãs nós temos que ser contra qualquer tipo de violência e lutar para que isso diminua a cada dia. Muitas vezes pensamos que a violência doméstica é uma realidade só das classes sociais menos favorecidas e a gente vê que isso acontece com pessoas de nível econômico alto. Para mim, as mulheres vítimas de violência têm que pedir ajuda, tem que abrir o jogo para algumas pessoas que possam dar alguma contribuição e se o problema não resolver, é porta de liberdade de uma pessoa. É muito triste que alguém seja subjugado e essa questão da violência, ela tem que ser combatida e não aceita por nenhuma mulher sob pena de separação, sim. A igreja sempre teve as suas portas abertas para apoiar as famílias. Infelizmente, há situações que não são resolvíveis. Exemplo de um marido que se alcooliza, que usa drogas, que mediante a isso comete um ato de violência com a mulher, com o filho. A bíblia é clara que a família é propósito de Deus, que ela sempre cresça, mas se chegar ao ponto em que atos de violência tornem impossível essa convivência, chega um ponto que essa família não pode mais se manter unida.

CRISTAL: Já fiz trabalhos e matérias na Delegacia da Mulher, e vi que o homem chega a essa atitude de violência quando ele se sente ameaçado, acha que está perdendo, ou que não tem mais domínio sobre aquela mulher. Entretanto, eu presenciei uma situação onde uma mulher prestou queixa contra um marido e nada foi feito, uma semana depois ele a matou. Isso é fato, e tem que ser controlado. A vida é um dom de Deus e tem de ser preservada. Ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém e nem de ser violento com ninguém. Temos que tomar muito cuidado com isso. Se nós tivéssemos uma sociedade saudável, que buscasse a orientação na palavra para as suas vidas, que buscassem a Deus e que o temessem, certamente a gente teria um número muito pequeno disso.

ALZIRA: Eu concordo com as duas que nós temos que fazer frente a esta realidade. Eu não acho que a gente tem que aceitar certas coisas. A mulher é subserviente para várias coisas, mas para apanhar não. Muitas mulheres que são violentadas é porque se permitem violentar. Acho que a nossa inteligência vai nesse nível também, de não permitir essas violências. Nós estamos muito mais próximos dela do que a gente imagina. Cada uma de nós guarda em seus gabinetes uma gama enorme de informação que não pode ser passada porque é uma realidade muito dura. A igreja, ela não só tem que resolver a situação hoje, e também a situação preventiva, ou seja, desde a criança que vê o exemplo bom da família. Ela precisa ter bons exemplos de lares. Quando acontecem problemas dentro do lar, e mesmo com a ajuda da igreja ele venha a não ter sucesso, a igreja precisa trabalhar mais pelo resgate desse lar. A psicologia é muito importante, mas ela deve vir junto com o aconselhamento espiritual. Nós vimos muitos casais que pensávamos não ter jeito e foram restaurados. A proposta de Deus é que nos unamos para sempre. Se as famílias são bem estruturadas, a igreja será também.

ROSÂNGELA: A violência tem estado presente em famílias, e eu tenho visto muitas mulheres sob pressão por parte de seus maridos. E eu concordo com a irmã que disse que em casos extremos, elas têm que pedir ajuda, ir até as autoridades. Eu tenho visto no interior do Estado, situações terríveis dentro até das igrejas. Muitos maridos que não conhecem a Cristo, ou até os que conhecem, mas não tem uma estrutura, são violentos, machões, brigam com as esposas e os filhos acabam presenciando e crescendo com ódio, com revolta. Costumo encaminhar a pessoa ao pastor para ele conversar porque é uma situação muito complicada. Hoje as igrejas têm se empenhado mais em ajudar as famílias, com seminários, aconselhamentos, estudos, e isso ajuda na formação do caráter da família.

Quais são as virtudes que vocês acreditam que devam ser mais buscadas pelas mulheres?

MARA: Paciência em primeiro lugar porque a família é dinâmica, as pessoas são diferentes e nós temos que muitas vezes relevar algumas coisas. Outra virtude é a sinceridade. Na família você mostra quem realmente é. Entre os casais deve existir a fidelidade. Eu não vejo outra forma de um relacionamento perdurar quando a confiança mútua não existe. A tolerância também, porque todos nós falhamos. E bondade, ter um coração bom, um coração aberto para ajudarmos uns aos outros em casa.

CRISTAL: Eu diria que é a sabedoria. A gente tem que buscar a virtuosidade na sabedoria sempre, nós mulheres principalmente. Por esse papel que a gente tem no lar, no trabalho, na igreja, onde quer que estejamos. A mulher deve buscar a sabedoria que vem de Deus, que está na Palavra. Relacionamento com respeito, em qualquer situação, em qualquer área da sociedade, a gente tem que agir de forma respeitosa com as pessoas. Uma coisa que eu acho bem pertinente a nossa forma de ser, é o amor. Buscar esse amor que o Senhor escreve em Sua Palavra, deve ser um objetivo, algo que incessantemente devemos buscar.

ALZIRA: Eu acho que a mulher não deve perder nenhuma oportunidade de crescimento em qualquer área que seja. Uma mãe que tem um filho adolescente, deve conversar com o seu filho no mesmo patamar de conhecimento que ele tenha. Eu acho gostoso você poder se sentar a mesa e conversar com os seus filhos, com o próprio marido. Você ser um leitor de uma revista, um jornal, um livro. Eu não gosto de livros de auto-ajuda, eu acho que a gente deve ler livros que nos façam raciocinar e não que tragam soluções. A solução é dada por Deus. Eu gosto dessa idéia de qualquer ambiente que você estiver presente, se fazer presente também através da sua palavra. Quando você tem um pouco de conhecimento, você pode participar de qualquer tipo de conversa.

ROSÂNGELA: A responsabilidade, a lealdade, a fidelidade, a bondade, a generosidade com o seu próximo. Temos que procurar melhorar o nosso relacionamento com os filhos. Mas o mais importante é estar debaixo do leque do amor de Deus.

Existe algo que vocês recomendariam a mulher para que ela não faça, se quiser ser uma mulher virtuosa?

MARA: Tudo em que você ficar em dúvida sobre o certo e o errado, eu recomendaria que a mulher não faça. Se ela quer ser uma mulher virtuosa, em primeiro lugar: não priorizar coisas que as mulheres acham básicas como, por exemplo, a vida profissional. Isso é importantíssimo, mas a família é mais importante. E eu vejo a família até antes da igreja. Fidelidade a Deus vem em primeiro lugar, Deus está acima de todas as coisas, mas no dia-a-dia a família tem que vir em primeiro lugar e a igreja em segundo. Não provocar a ira no dia-a-dia com os familiares. Às vezes, nós temos palavras que são duras demais ou reações que são contrárias àquelas que esperam de nós.
Eu entendo que a mulher virtuosa é peça fundamental do lar, então não justifica passar suas responsabilidades para os outros. Nunca transfira os ovos que são seus para os outros, como, por exemplo, pedir para sua secretária levar seus filhos em um determinado lugar onde você mesma possa acompanhar.

CRISTAL: A mulher não deve perder nunca o temor a Deus. Em tudo o que ela fizer deve analisar se ela está agradando ou desagradando a Deus. Ter temor a Deus e buscar a Palavra como orientação, ao acordar e ao ir deitar. Pensar no que foi feito e no que foi dito para ver se prevaleceu o amor de Deus. Isso nunca deve ser perdido. Se deseja ser virtuosa, jamais.

ALZIRA: Eu acho que a gente deve confiar somente em Deus. Eu acho que nós mulheres temos como característica confiar em outras pessoas e devemos cuidado com isso. O que eu aconselharia é que depositemos nossa confiança totalmente em Deus, durante nossos problemas e nossas lutas. As mulheres devem ser mais discretas no seu falar, no seu agir, no seu vestir. Isso não faz com que perca a coragem, a ousadia e tudo mais. Não confiar nas pessoas porque elas vão falhar e Deus nunca falhará conosco.

ROSÂNGELA: Primeiro é não perder o temor de Deus. Quando ela tem temor, tem simplicidade e humildade. E não confiar totalmente no homem, a própria Bíblia diz "Maldito o homem que confia no homem". Às vezes, as pessoas confiam no homem e não confiam em Deus. Mas Deus usa as pessoas, eu tenho encontrado essas pessoas na minha vida.

Entrevista Publicada na edição nº 127 da Revista Comunhão

Publicado em: